A Contadora de Filmes | Livros & Cinema

 photo IMG_0337_zps0trsd71r.jpg

 photo IMG_0338_zpss9tys5pc.jpg

Ainda estou na dúvida se esse livro é bonito demais ou triste demais. Acho que são os dois extremos, afinal, uma coisa não exclui a outra.

No meio do deserto árido do Atacama, no Chile, moravam Maria Margarita e sua família. Por incrível que pareça, naquele vilarejo pobre havia uma sala de cinema, mas a família não tinha dinheiro para que todos pudessem ir sempre. Como todos gostavam muito dos filmes, Maria Margarita foi escolhida para ir às sessões, voltar para casa e contar o filme para os outros.

 photo IMG_0348_zpsngjelhsm.jpg

Assim, eles descobriram no cinema uma possibilidade de transcender a triste realidade em que viviam. E mais do que isso, contagiaram a todos do povoado com as narrações cheias de vida que a menina fazia.

Naquele tempo descobri que todo mundo gosta que alguém conte histórias. Todos querem sair da realidade um momento e viver esses mundos de ficção dos filmes, das radionovelas, dos romances. Gostam até que alguém lhes conte mentiras, se essas mentiras fossem bem contadas. Essa é a razão do êxito dos embusteiros de fala hábil.”

Além da escrita belíssima do Hernán Rivera, achei que ele coloca o cinema no seu lugar mais importante, na minha opinião, que é o encontro com o espectador. Não é preciso ser especialista para gostar de um filme, conhecer diretores, atores, para se apaixonar por uma história. Com o tempo, essas coisas virão, caso seja do interesse de cada um, mas não há pré-requisito para ser espectador de filme. E mais, não há pré-requisito para você fazer o que quiser com o filme uma vez que ele está dentro da sua cabeça.

A família de Maria Margarita e os moradores do vilarejo não assistiam aos filmes, eles assistiam a interpretação da menina, com sua voz e gestos. Uma vez que o filme está na nossa cabeça, ele se transforma, se mistura com a gente. Para mim, Maria Margarita é uma materialização dessa possibilidade que o cinema tem.

Então, subo até a torre da igreja para contemplar o horizonte. Cada crepúsculo é como a panorâmica final de um velho filme, um filme em tecnicolor e cinemascope – e o ruído do vento batendo nas chapas de zinco é a trilha Sonora. Um filme repetido dia após dia. Ás vezes triste, às vezes menos triste.”

 photo IMG_0351_zpsmeysyhrz.jpg

 photo IMG_0341_zpsycydem9l.jpg

Eu estava presente quando uma pessoa presenteou a outra com A Contadora de Filmes e isso foi há bastante tempo. Recentemente, numa daquelas mega promoções que a Cosac Naify faz, decidi comprar e, vou dizer, está entre um dos melhores livros que li nos últimos tempos. Ele é visualmente lindíssimo também. Não dá pra esperar menos da Cosac. O projeto gráfico é bonito demais e ele é bem pequeno, então dá pra colocar na bolsa e levar por aí sem incômodos.

E não é livro só pra quem gosta de cinema, não, viu? É livro pra quem gosta de história bonita. E um pouco triste também.

(Esse post faz parte do projeto Livros & Cinema. Clique aqui para conhecer!)

Anúncios

11 comentários sobre “A Contadora de Filmes | Livros & Cinema

  1. Parece tão simples e tão bom. Ando bem interessado na literatura latino-americana, especialmente a chilena. Li alguns do Roberto Bolaño, conhece? Um dos autores que eu queria ser, se isso fosse possível. Jorge Edwards também é ótimo. Tô com um da María Luisa Bombal pra ler que parece ótimo, comprado por 5 reais nessa última promoção da Cosac Naify.
    Aproveitando que estávamos falando de tradução noutro dia. O tradutor desse livro, Eric Nepomuceno, é referência nas traduções do espanhol. Traduziu Cortázar, Gabo, Galeano, Onetti…todos os principais escritores latinos, ele traduziu. Só isso já me deixa curioso por conhecer alguma coisa do Hernán Rivera.

  2. Sabe que eu também comprei esse livro numa dessas promoções malucas (mas que a gente ama) da Cosac. Os livros dessa editora são lindíssimos e comprei só pelo título mesmo. Li em uma tarde e compactuo contigo dessa sensação estranha, de não saber até que ponto é lindo ou triste demais. Não tinha parado pra pensar nisso que tu falou. De como qualquer um pode gostar de cinema, mesmo sem ter conhecimento técnico. É algo completamente acessível. Tanto que no meio de um vilarejo pobre, era isso que existia como entretenimento. :*

  3. MENINAAAA só agora consegui vir com calma pra responder os comentários do meu post sobre alienação.

    Fiquei tão tão feliz com seu comentário.. adoro quando meus posts rendem interação assim. E sobre o estilo que você descobriu eu conheço sim e sou uma apaixonada tb. Se vc quiser dar uma olhada em alfaiataria sport tb é bacana.. mescla peças clássicas da alfaiataria com tênis, ou materiais mais clássicos do sportwear.

    super me anima de escrever mais quando textos rendem assim <3

    PS.: sobre esse livro eu to aqui morrendo de vontade de ler menina.. pena q nao pude aproveitar nada da promo da Cosac. :( :(

  4. Pingback: Links maravilhosos do mês #3 | Lunettes

  5. Pingback: Livros & Cinema | Uma cadeira, por favor!

  6. Acabei de ler e concordo: é bonito E triste. Achei que seria até mais triste! O fato é que não consegui parar de ler. Esperava que tivesse mais cinema nele, mas de maneira nenhuma me decepcionou.
    Beijos!

O que você pensa sobre isso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s