Em cartaz #28: Palo Alto

 photo palo-alto-poster10_zpsfb234e51.jpg

Sou dessas que também assiste o filme por causa do cartaz e quando vi esse de Palo Alto, logo fui procurar por ele. Confesso que vi o trailer e resolvi assistir sem expectativa, mais porque o filme foi dirigido pela Gia Coppola, que é neta do Francis Ford Coppola e eu meio que gosto da família. Mas achei que seria um romance desses mamão com açúcar.

E olha, não é não.

O filme conta um período da vida de dois adolescentes, April e Teddy, que hora se entrecruzam, ora não. Eles estão no high school na cidade de Palo Alto, que é onde vai se desenrolar a história. Logo no começo do filme já fica claro que April e Teddy se gostam, mas é aquela relação esquisita de adolescente em que nenhum dos dois diz nada para o outro.

Mas o filme não é exatamente sobre isso. Ele se ramifica em diversas sub-histórias. Explora a relação de April com suas colegas de sala, seus parentes e seu treinador de futebol, Mr. B.; e a relação de Teddy com seu melhor amigo Fred – o típico amigo “encrenqueiro” – com a violência e o sistema judicial juvenil e com seus impulsos artísticos.

Como comentei, ora essas histórias se esbarram, ora são exploradas mais pontualmente.

 photo palo_alto_ver3_xlg_zps36a4af12.jpg

 

O filme foi feito com base num livro de contos escrito por James Franco, que faz o papel de Mr. B. No making-of, Gia conta que ela sempre gostou de high school movies, que é como eles chamam esse tipo de filme, e era o que ela queria fazer. E acho que foi muito bem sucedida.

Não conheço o high school nos EUA, talvez uma visão estereotipada dele, mas acho que o filme coloca várias questões que são muito próprias da adolescência e do momento atual que vivemos. A futilidade e a crueldade das meninas, o tédio, a falta de perspectiva, os laços de amizade que são facilmente desfeitos, a forma infantilizada com que se começa a vida sexual, a violência descabida e inconsequente.

Não quero ser moralista e gostei do filme exatamente porque ele não tenta dar uma lição de moral no fim. As relações são complexas e as coisas não acontecem por motivos óbvios e lógicos sempre.

 photo palo_alto_xlg_zpsb5dd7ce5.jpg

Enfim, não quero ficar falando muito da história aqui. Mas é um filme bem calmo e delicado e me fez ficar nostálgica em algumas partes. Além de tudo, é muito bonito de se ver. Tem planos bonitos com cores bonitas – que acho que podem render um post a parte porque valeria muito a pena.

Ele é de 2013, bem recente, então acho que encontram fácil pra assistir por aí. É o primeiro longa de Gia Coppola e, preciso dizer, quem dera eu começar a carreira com um filme assim! Se vocês quiserem ver mais, o filme tem um tumblr oficial com várias fotos e gifs.

É isso. Fiquem com o trailer e com minha recomendação!

Anúncios

14 comentários sobre “Em cartaz #28: Palo Alto

  1. Legal que você está falando desse filme, eu estou esperando esse filme a um tempo, mas acabei desistindo depois de algumas críticas e por saber que vai ser bem complicado de chegar por essas bandas.

    Você baixou ou alugou?

    Eu li uma matéria bem legal sobre a Gia e a relação dela com o cinema e a família Coppola, vou te mandar por e-mail.

    Bjos

  2. Assim como a Ju, adorei o primeiro cartaz. As cores meio vintage sempre me conquistam. Sou fã do vô dela, apesar de não ser muito da Sofia, mas fiquei bem curiosa pra conferir a Gia, sobretudo por ser seu trabalho de estreia. :*

  3. Lembro de ter visto o cartaz na página inicial do IMDB na época da estréia. Li a sinopse, li o sobrenome da diretora, fui me interessando, então li que é uma adaptação de um conto do James Franco. Pode ser preconceito, mas não consigo simpatizar com esse cara. Li dois contos dele na internet e meia dúzia de poesias, não sei dizer o que é pior. Ele é péssimo (minha opinião). Aí nesses últimos dois anos ele decidiu filmar romances não filmáveis (O Som e a Fúria, do Faulkner, que contém 70 páginas narradas por um deficiente mental que não consegue separar o presente do passado; Child of God, do Cormac McCarthy, contado pelo ponto de vista de um psicopata necrófilo) – esses eu não vou julgar por não ter visto, mas a crítica não é boa.
    Mas eu confio no seu julgamento. Seu blog, até o momento, não me decepcionou. Vou dar uma chance.

  4. Estou louca para assistir esse filme desde que lançou lá fora. Quando vi que era com a Emma Roberts fiquei com mais vontade ainda de assistir. Eu adorei a atuação dela em Adult World, The Art of Getting By e It’s Kind of a Funny Story. Não sei se você já assistiu algum desses.

    Palo Alto me chamou atenção por tudo, Emma, Coppola, essas cores lindas e que é baseado em um livro de contos (comecei a ler mas não terminei ainda).

    Depois da sua resenha tenho certeza que vou adorar ;}

  5. Pingback: Apresentando R. Schwartzman | Uma cadeira, por favor!

  6. Pingback: Os melhores filmes e as decepções de 2014! | Uma cadeira, por favor!

O que você pensa sobre isso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s